quarta-feira, 7 de julho de 2010

DESAFIOS DO MUNDO CONTEMPORANEO NA PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO

Vivemos em um mundo globalizado, mundo esse que a cada dia vem exigindo novos conhecimentos para que o indivíduo possa sobreviver , ou seja conseguir um espaço em meio a sociedade em que vive e também no mercado de trabalho que é bastante competitivo.
A escola de certa forma sempre entendeu que para se dar bem na vida, bastava que o educando aprendesse com exatidão os conteúdos transmitidos a ele pelos professores em suas aula expositivas.
Hoje, devemos observar por outros ângulos.
Os atuais PCNs baseados na Lei de Diretrizes e Bases mostra outros pontos importantes, pois o mesmo vem apresentando novos termos como cidadania, autonomia da escola e respeito pelas diferenças, inflam novos ares para dentro das escolas. Falam em contextualizar o conhecimento, em articular as diversas matérias, ressaltando pontos significativos comuns a elas, em transformar alunos em cidadãos conscientes de seus direitos e deveres, mais aptos a negociar na sociedade os conflitos de suas próprias vidas, etc. E é óbvio que, se a base normativa que orienta o funcionamento das escolas está abordando tais questões desse jeito, os vestibulares tendem a adaptar-se a ele. Como se não bastassem as profundas mudanças que já verificamos em alguns dos principais vestibulares do país, outro fato indiscutível que aponta para esta tendência é o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio), espécie de "provão do ensino médio". Apesar de ser algo que pretende avaliar conhecimento, a forma como o ENEM faz isso pouco tem a ver com o esquema clássico de avaliação. Nele, a simples repetição de fórmulas e datas decoradas deu lugar à aplicação do raciocínio em problemas da vida real. Boa parte dos vestibulares (principalmente nas universidades públicas) já aceita a nota do aluno no ENEM como uma das formas de avaliá-lo.
Percebe – se então que vivemos em um tempo onde o conhecimento calcificado e morto,de velhos códigos e fórmulas par resolver problemas desatualizados ,está desaparecendo,pois sabemos que aquilo que se aprendeu na escola o ano passado pode não mais servir para esse ano.
Em resumo, não vivemos mais a realidade de outrora e conclui –se que a maior responsável pela crise pela qual passa a educação, talvez ainda seja o uso de velhos procedimentos frente aos desafios contemporâneos.

Postado por Jilberlene Cardoso Pereira(Jil).

Nenhum comentário:

Postar um comentário